Ads Top

OPINIÃO: No Conde a 'multi-oposição' celebra vitórias em enquetes enquanto Márcia se fortalece



Estamos em 22 de novembro de 18, há quase dois anos das eleições municipais, ainda nem nos ‘curamos da ressaca’ das últimas disputas eleitorais e no Conde já  são fortes os embates de 2020.

E uma modalidade de campanha forte feito ‘caldo de batata’ está tomando conta das redes sociais na cidade de Conde. Refiro-me as enquetes de intenção de voto. Algumas pessoas parecem realmente achar que com toda essa distância do pleito elas são realmente capazes de passar um real indicador da situação política eleitoral em um cenário de 2020.

Essas ‘pesquisas’ têm sido promovidas por pessoas ligadas aos milhares de grupos oposicionistas da cidade (daqui há pouco falo sobre a multi-oposição em Conde). Sendo assim, recebem um grande número de opiniões de pessoas ligadas a esses grupos ou a outros guetos insatisfeitos com a gestão atual, consequentemente apontam para uma derrota de Márcia Lucena.

Permitam-me fazer duas análises. A primeira sobre as enquetes e a segunda sobre a oposição na cidade, aliás, não sobre a oposição necessariamente ou sobre seus atores, mas sobre as facetas e posturas dos oposicionistas locais.

SOBRE AS ENQUETES: De forma muito simples diria que elas transmitem uma falsa sensação de vitória de quem se colocar contra Márcia Lucena. Em uma delas, Karla Pimentel teria cerca de 70% dos votos, contra 30% de Márcia. De verdade, alguém em consegue imaginar que isso seja possível?

Essa é uma possibilidade completamente impossível de acontecer. Quando digo isso não desmereço o potencial eleitoral de Karla ou mesmo o espólio de seu sogro, que foi prefeito da cidade por vários mandatos. Aliás, levo exatamente isso em consideração.  Karla carrega o bônus de ser nora de dois ex-prefeitos, mas também carrega o ônus desses laços familiares, e numa conta muito simples, é bem complicado com essa carga, ter 70% dos votos da cidade, principalmente pela faceta ‘multi’ da oposição na cidade.   

É exatamente sobre isso que quero falar no segundo ponto de minha análise.

A MULTI-OPOSIÇÃO: Não preciso mencionar os atores políticos, mas o Conde tem ao menos seis nomes de oposicionistas que manifestam a intenção de serem candidatos a prefeito em 2020. Obviamente não teremos esse número de candidaturas, mas a ‘preço de hoje’ a cidade recebe diariamente a informação de que várias figuras querem concorrer. E ao menos um deles diz que não abre ‘nem pro trem’ carregado de dinamite. Eu diria que provavelmente ficará na estação com a passagem na mão.

A ‘multi-oposição’ de Conde atira mal e para todos os lados. Faz críticas desnecessárias, comete erros crassos do tipo, atacar a vida pessoal, a fé, e a sexualidade de pessoas da gestão. Isso é política velha e ultrapassada. Com isso não estou dizendo que do outro lado não ocorre o mesmo. Ocorre sim, mas a análise aqui é da oposição (estou trabalhando na análise dos dois anos da gestão de Márcia).

Ao meu ver, se querem realmente vencer em 2020 devem ter ao menos três posturas fundamentais a serem desenvolvidas a curto prazo, e uma que precisa ocorrer de modo urgente, sem deixar para amanhã.

Deixem-me começar pelo que me parece urgente:

Os atores da oposição em Conde precisam imediatamente rever sua postura em relação a única base de oposição vigente e visível de modo claro na cidade. A bancada de vereadores oposicionistas. Para a população de modo geral, a oposição são os seis vereadores que não estão na base. Eles precisam ser apoiados pelos agentes oposicionistas.

Não importa quem dentre eles poderá ser candidato, os integrantes do campo das oposições precisam apoiar esses parlamentares, dar-lhes subsídios, incentivo e até orientação aos menos experientes.

Um exemplo muito claro da falta desse apoio se dá nas votações mais complexas na Câmara. A prefeita Márcia Lucena age, usa muito bem as redes sociais, movimenta sua militância e seguidores. O que ocorre? Pressão sobre os parlamentares.

Nas redes sociais militância socialista promove campanhas avassaladoras contra os parlamentares da oposição. E os ditos oposicionistas da cidade onde estão? Esperando que os possíveis prefeitáveis que estão na Câmara sejam ‘degolados’? É preciso entender que se eles forem fragilizados, toda a oposição será. 

Se não mudarem isso urgentemente continuarão amargando derrotas e não será justo culpar os parlamentares. 

Outras posturas esperadas:

1. Descer dos palanques que já armaram ou talvez ainda estejam desde 2016;

2. Montar uma agenda coletiva de análise da gestão atual, sendo capazes de elogiar o ‘elogiável’ e criticar o que realmente é ‘criticável’.  Isso os faria parar de ‘atirar pra todo lado’ e lhes daria discurso coerente, uniforme e provavelmente contundente;

3. Construir encontros, debates, plenárias e consultas em várias comunidades, sem contudo apontar quem será candidato (a), mas sendo capazes de ouvir a população, seus anseios e críticas a atual gestão, para assim construírem uma agenda realmente voltada para o interesse e necessidade do povo;

Por fim

A 'multi-oposição' celebra vitórias em enquetes enquanto Márcia se fortalece e fortalece sua militância.

Se não decidirem já que irão se unir em torno de um único nome (que não pode ser decidido agora), chegarão em 2020 fragilizados, com discurso enfadonho contra alguém que está no poder. 

Demonstrar indignação com áudio choroso em grupo de WhatsApp não é fazer oposição, ganhar enquete entre amigos não é fazer campanha.

Ou a oposição de Conde se liga ou a lapada será de vaca desconhecer bezerro.



Ponto!


Caco Pereira




Acompanhe mais notícias do Canal do Povo
Facebook, TwitterYoutube e Instagram
Entre em contato com a gente:
Telefone: (83) 993191 9890
WhatsApp: (83) 993191 9890
E-mail: canaldopovopb@gmail.com 





Nenhum comentário:

Caco Pereira Comunicação & Consultoria. Tecnologia do Blogger.