PCC invade e saqueia casa de testemunhas de crime contra PM Juliane




Criminosos ligados ao PCC (Primeiro Comando da Capital) invadiram e saquearam a casa na favela de Paraisópolis, zona sul de São Paulo, de um casal de amigos da soldado da PM Juliane dos Santos Duarte, 29, assassinada em agosto deste ano.

A informação foi divulgada nesta terça-feira (18) pela Promotoria estadual e confirmada pela polícia.

Os amigos, que estiveram com a PM antes de ela ser levada por bandidos, saíram da favela para participar de programa de proteção a testemunhas. Foram eles que relataram à polícia o desaparecimento da policial, ainda no dia 2 de agosto.

A ação dos criminosos na casa de Paraisópolis foi repassada por testemunha protegida (morador da favela) a policiais do DHPP (departamento de homicídios) durante investigação que levou ao indiciamento de mais quatro pessoas suspeitas de participação do sequestro, tortura e morte de Juliane.

Outras três pessoas, entre elas uma mulher da própria favela, já tinham sido denunciadas pela Promotoria por suspeita de participação do crime. Ao menos outras três pessoas são suspeitas de envolvimento no caso, e a polícia tenta identificá-las para realizar o indiciamento.

A PM Juliane foi sequestrada por criminosos em 2 de agosto, quando estava com amigas em um bar de Paraisópolis. A comunidade com pouco mais de 60 mil habitantes é dominada pela facção criminosa PCC.

O promotor Fernando Cesar Bolque disse que a casa invadida pelos criminosos depois do crime é a do casal que, em 1º de agosto, realizou um churrasco na favela e convidou Juliane para participar do evento.

A PM ficou por lá até por volta da meia-noite. Depois, seguiu para a casa de duas mulheres que conheceu no churrasco e para um bar na favela. No local, Juliane foi identificada como policial e levada para um cativeiro pelos criminosos.

"A casa desse casal foi invadida pelo PCC. Tem uma testemunha protegida no processo que diz [...]: a única coisa que eu sei é que a casa foi invadida, tomaram tudo o que o casal tinha lá e o PCC está tomando conta dessa casa", afirmou o promotor.

Segundo a Promotoria, tanto o casal de amigos como duas mulheres que estiveram com Juliane e outras duas pessoas, parentes dessas testemunhas, saíram da favela e participam de programa de proteção de testemunhas. "Estão até fora do estado", disse Bolque.




Nenhum comentário:

Caco Pereira Comunicação & Consultoria. Tecnologia do Blogger.