Marido abandona velório de esposa para tentar salvar casa de incêndio




Um homem de 53 anos precisou abandonar o velório da própria esposa, junto com a família, para tentar salvar a casa de um incêndio, em Mongaguá, litoral paulista. O acidente ocorreu menos de 24 horas após a mulher morrer durante o parto. As causas do fogo deverão ser apuradas.

O acidente ocorreu no fim da tarde de quinta-feira (24), em uma casa da Rua do Retorno, na Vila Atlântica. O G1 apurou que pelo menos 11 pessoas moram na residência, entre crianças e adolescentes, chefiada por um auxiliar de pedreiro. Desempregado, ele acompanhava a esposa, que tinha 40 anos, durante a gestação, que era de risco.

Ela entrou em trabalho de parto no início da semana, no Hospital Regional de Itanhaém, onde deu a luz a uma menina, mas não resistiu após sofrer uma parada cardiorrespiratória. O corpo só foi liberado para o sepultamento, no Cemitério Municipal, na quinta.

Durante o velório, vizinhos entraram em contato avisando que chamas e fumaça haviam sido vistas na residência. Parte dos familiares, incluindo o viúvo, voltou para a casa, onde vizinhos já ajudavam no combate às chamas.

A casa, composta de quarto, cozinha e banheiro, foi destruída. Apenas o fogão e a geladeira resistiram às chamas. Ao G1, o tio da vítima, que preferiu não se identificar, diz que há a possibilidade de o fogo ter começado após um curto-circuito em um ventilador de teto.

Bombeiros e Polícia Militar foram ao local, mas integrantes do projeto social Alicerce, que atuam em Mongaguá, haviam sido acionados e conseguiram um caminhão-pipa, que já havia extinguido o incêndio quando as equipes chegaram. O projeto, então, iniciou uma campanha de arrecadação para a família.

"Iniciamos uma arrecadação de dinheiro para a reconstrução da casa, além de recolher alimentos, roupas, cobertores e móveis. A Prefeitura também está ajudando no que pode”, explica Marcelo Bucanas, integrante do grupo.

O G1 também apurou que, na primeira noite após o incêndio, eles se abrigaram na casa de um dos vizinhos. Nesta noite, parte das crianças foram para a casa do tio, enquanto os adultos ficaram na garagem da residência, fechada com lona, para se protegerem da chuva.

Equipes do projeto social trabalham em busca de um novo local para a família. Em nota, a Prefeitura de Mongaguá disse que equipes do Centro de Referência de Assistência Social (Cras) estão em contato a família. A administração diz que colocará à disposição todos os recursos e técnicos da Prefeitura para a situação.

Já a menina recém-nascida segue internada no Hospital Regional de Itanhaém. Saudável, ela seguirá na maternidade até que o Conselho Tutelar de Mongaguá julgue possível que ela receba alta e possa voltar para a casa. As causas do incêndio deverão ser apuradas.





Nenhum comentário:

Caco Pereira Comunicação & Consultoria. Tecnologia do Blogger.