Ads Top

MPF prorroga por mais 90 dias inquérito sobre atentado contra Bolsonaro




O MPF (Ministério Público Federal) concedeu mais 90 dias para a PF (Polícia Federal) concluir o inquérito que investiga o pagamento de honorários ao advogado de Adélio Bispo de Oliveira, autor da facada em Jair Bolsonaro durante a campanha eleitoral de 2018.

O pedido foi feito pela PF em 16 de janeiro. O MPF pode analisar o pedido, pois a situação legal de Adélio Bispo não exige a intervenção do juiz.

Segundo a assessoria da Justiça Federal em Minas Gerais, não é necessário que o pedido retorne à 3ª Vara, “exceto na hipótese de ser requerida uma nova medida cautelar”.

Adélio Bispo está detido no presídio federal de segurança máxima de Campo Grande (MS). Seu advogado, Zanone Manuel de Oliveira Júnior, não revela o nome da pessoa que o contratou para defender o agressor, alegando ter o direito de manter em sigilo sua identidade.

Em dezembro do ano passado, a PF cumpriu mandados de busca e apreensão em 2 imóveis relacionados ao advogado.

O INQUÉRITO
No dia 6 de setembro de 2018, Bolsonaro levou uma facada enquanto fazia campanha em Juiz de Fora (MG). Adélio Bispo de Oliveira, autor confesso, está preso no presídio federal em Campo Grande (MS).

O inquérito é o 2º processo a ser instaurado. No 1º, que tramita na 3ª Vara Federal da cidade mineira, Adélio Bispo é réu por atentado pessoal devido a inconformismo político.

Conforme denúncia feita pelo MPF, o acusado colocou em risco o regime democrático ao tentar interferir no resultado das eleições por meio do assassinato de 1 dos concorrentes na disputa presidencial.

Para o procurador autor da denúncia, Adélio Bispo planejou o ataque com antecedência de modo a excluir Bolsonaro da disputa.

A defesa de Adélio afirma que ele agiu sozinho e que o ataque foi apenas “fruto de uma mente atormentada e possivelmente desequilibrada” por conta de 1 suposto problema mental.




Nenhum comentário:

Caco Pereira Comunicação & Consultoria. Tecnologia do Blogger.