CRUEL: Padrasto é denunciado à polícia por bater com sandália no rosto de criança de dois anos


A mãe de um menino de dois anos procurou a polícia para denunciar que o companheiro dela agrediu a criança com chineladas no rosto, no bairro Benedito de Lira, em Teotônio Vilela, no Agreste de Alagoas.

O caso aconteceu na última quarta-feira (16), mas o Boletim de Ocorrência (B.O) foi feito nesta quinta (17), conforme confirmou ao G1 o delegado do 79º Distrito Policial, Arthur César.

De acordo com o Conselho Tutelar do município, o companheiro dela, que é padrasto do menino, foi identificado como Neudo José da Silva Alves Júnior, 24.

Em entrevista à reportagem do G1, a mãe do menino, que pediu para não ser identificada, contou que havia deixado a criança com o padrasto para ir ao posto de saúde com um outro filho, de sete meses.

"Eu deixei ele com o meu esposo porque eu confiava. Eu disse até assim: 'Quando você der comida a ele e der banho, leve ele para o posto', só que eu esperei e nada. Quando eu cheguei era quatro [horas] e um pouquinho. Ele disse: 'hoje eu fiz uma coisa que nunca tinha feito'. Quando eu entrei pra dentro de casa, ele disse que deu duas chineladas no menino e ficou a marca. Achei que era nos braços ou nas pernas, mas, quando eu entrei no quarto, era no rosto", disse a mãe da criança.

Nas imagens, é possível ver os hematomas provocados pela sandália na região do queixo e da bochecha do menino. De acordo com o delegado, o inquérito já foi instaurado e Alves vai responder por maus-tratos.

Ainda de acordo com a mãe, o padrasto não contou o porquê de ter agredido a criança.

"Eu não sei o motivo. Até agora eu não sei o que dizer. Ele nunca fez isso. Acho que o motivo dele foi porque o menino estava chorando demais", disse ela ao afirmar que pediu para que Alves saísse de casa por medo dele fazer algo pior.

"Ele não queria sair de casa. Fui para o conselho [tutelar] e me levaram para [delegacia] Civil. Eu senti ódio, fui na delegacia e denunciei. Até o próprio pai dele nunca triscou no menino".

Ainda de acordo com o Conselho Tutelar, a agressão chegou a ser denunciada à polícia no mesmo dia, mas, por conta da demora na emissão do Boletim de Ocorrência (B.O), o delegado deu uma guia para que o menino fosse levado ao Instituto Médico Legal (IML) do município de Arapiraca para fazer o exame de corpo de delito e a mãe retornasse nesta quinta (17) para fazer o B.O.

O conselheiro, que pediu para não ter o nome divulgado na reportagem, disse ainda que a polícia chegou a fazer buscas por Alves na casa do casal e pela cidade na noite de quarta (16), mas ele não foi encontrado.










Nenhum comentário:

Caco Pereira Comunicação & Consultoria. Tecnologia do Blogger.