Placar da Previdência aponta apoio crescimento de apoio à reforma




A um dia do início da votação da reforma da Previdência, 261 declaram abertamente o apoio à proposta que modifica as regras para se aposentar no Brasil, aponta o Placar da Previdência, feito pelo Estado. Desde total, apenas 16 condicionam o voto sim a mudanças o texto.

O número é a atualização até às 19h30 do levantamento, que é monitorado constantemente pelo Estado. Representa um aumento de 14 votos favoráveis em relação a domingo, todos de deputados que antes não responderam aos questionamentos da reportagem e agora se posicionaram.

O número de votos contrários aumentou de 97 para 101. Até o momento, 26 ainda se dizem indecisos. Outros 74 deputados não quiseram responder e 48 não responderam aos questionamentos da reportagem.

Para aprovar o texto na Câmara, são necessários 308 votos, em dois turnos. Esse apoio, porém, é o maior já registrado em todas as edições do Placar da Previdência já feitas pelo Estado.

Nos cálculos do ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, o governo já conta com 330 votos para aprovar a proposta na Câmara.

O Estado procura todos os 513 deputados nas últimas duas semanas por telefone, e-mail ou assessoria de imprensa. Pelo placar, os leitores podem se comunicar, por e-mail, com os deputados para cobrá-los sobre seu posicionamento.

O PSL, partido do presidente, passou a dar 40 votos já certos para aprovar o texto, de uma bancada de 54 deputados. No domingo, o número era quatro números menor. Já o DEM, de Maia, tem 24 votos favoráveis de um total de 28 deputados (um número a mais que no domingo).

Considerada a principal aposta da equipe econômica do governo para o equilíbrio das contas públicas, a reforma da Previdência modifica as regras de aposentadoria para funcionários do setor privado e servidores públicos da União.

O texto propõe que os homens só poderão se aposentar aos 65 anos e as mulheres, aos 62 anos, com um tempo mínimo de contribuição, de 20 anos (homens) e 15 anos (mulheres). A modalidade da aposentadoria por tempo de contribuição – que exige tempo mínimo de 35 anos (homens) e 30 anos (mulheres) - vai acabar, caso a reforma seja aprovada da forma como está.

Professores, policiais federais, agentes penitenciários e educativos terão regras diferenciadas.

As novas regras não valerão para os servidores estaduais e dos municípios com regime próprio de Previdência, uma vez que oprojeto aprovado pela Comissão Especial tirou a extensão das regras da reforma para estados e municípios.

Os novos critérios valerão para quem ainda não começou a trabalhar. Quem já está trabalhando e contribuindo para o INSS ou o setor público terá que escolher entre quatro regras de transição.

A última versão do relatório reduziu a previsão de economia para os cofres públicos com a reforma para R$ 987,5 bilhões em 10 anos. A proposta original do governo previa uma economia de R$ 1,236 trilhão em uma década.

Os deputados que condicionaram os votos a alterações citam como exemplos regras mais brandas para categorias específicas como policiais federais e professores. 






Nenhum comentário:

Caco Pereira Comunicação & Consultoria. Tecnologia do Blogger.