OPINIÃO: A renúncia de Temístocles Ribeiro é uma bomba que causa estragos, mas quem sai mais ‘ferido’?



A renúncia do médico Temístocles Ribeiro Filho da condição de vice-prefeito caiu como uma bomba no meio político cidade de Conde, no Litoral Sul do Estado.

Em uma carta cheia de sentimentos, com imenso poder destrutivo, diversas acusações, palavras duras e ‘bombas’, Temístocles Ribeiro atacou veementemente a prefeita Márcia Lucena e o projeto político que ele mesmo ajudou a eleger (inclusive pediu desculpas ao povo de Conde por isso). 

Mas a renúncia do Dr. Temístocles provoca estragos não apenas na gestão de Márcia Lucena, ao meu ver, os danos são muito maiores na própria oposição. Óbvio que os ‘estilhaços’ desta bomba atingem a gestão municipal, mas não tanto quanto a oposição. Vamos avaliar as ‘perdas’? Acompanhe meu raciocínio.

Em que Temístocles atinge Márcia?

Na força de um discurso impactante, cheio de frases efeito, letra de música 'de luta', repleto de mágoa (se com razão ou não, cabe apenas as duas partes resolverem e aos eleitores, se de fato acontecer o que pondero que será). Talvez haja algum estrago provocado pelas acusações que o médico profere contra a prefeita professora e seus aliados, talvez não.A questão nesse ponto é: Até que ponto o discurso altamente ácido de Tel chega ao povão? Qual impacto ele tem em quem está fora do eixo que discute e conjectura sobre política na cidade?

A grande verdade é que a renúncia é 'apenas' o desfecho de um rompimento já existente entre as partes. Em suma, nada é novo na briga, exceto que Tel o fez agora de forma veemente, declarada, pública e aparentemente com um tom de ‘me aguarde, pois agora eu vou pra cima’.  

Ele mesmo disse no final de seu texto, citando o socialista Chico Buarque, ‘amanhã há de ser outro dia’.  Isso soou como um aviso de que entrou no fronte de batalha. 

Deste modo, penso que o ‘estrago’ do texto forte do ex-vice de Márcia não é tão forte para a gestão quanto se imagina. Ao menos não nesse momento. Os passos dados em seguida definirão se a 'bomba' terá capacidade avassaladora politicamente ou não.

Em que Temístocles atinge a oposição?

Tel querendo ou não, em sua carta apresentou-se como um nome na disputa pela prefeitura em 2020. Mesmo que tenha dito que não pretende ser candidato, suas palavras de modo geral apontam para outra direção. Por mais que se tente negar, algumas frases postas pelo médico fizeram a mim e a outras pessoas que estavam na Câmara, perceber uma possível pretensão de candidatura a prefeito nas próximas eleições. Podemos estar avaliando de modo superficial e errado? Sim, claro, mas...

“Não darei adeus a vida pública, apenas um até breve, muito breve”. Apenas eu ou mais alguém vê aqui uma declaração acerca de 2020? Até breve na vida pública? Duvido veementemente que esse ‘até breve’ seja ‘apenas’ como cabo eleitoral.

“...talvez retorne em à vida pública, quem sabe para afastar o ódio, a perseguição e a politicagem barata de dentro de nossa cidade”. Isso seria o que? Apenas um aviso de que apoiará alguém? De que investirá na candidatura de alguém?

A grande questão é: Como os atuais pré-candidatos oposicionistas avaliam o ‘passo’ de Tel? Até que ponto a ‘bomba jogada’ na Câmara de vereadores pode abalar a oposição condense?

Será que se o nome de Tel for realmente posto na disputa haverá a tão falada união das oposições ou causará uma divisão maior?

Uma ponderação deve ser feita. Se pessoas ligadas aos Ribeiro já pressionavam Tel para uma candidatura, imagine como isso se dará agora. Simpatizantes e amigos quererão que ele entre na disputa, conforme possibilidade que o mesmo deixou nas entrelinhas. Muita gente que vota nos Ribeiro não aceita o apoio a outra candidatura de oposição por entender que não há mudança de fato.

Junior Rodrigues, Olavo Macarrão, Karla Pimentel e os demais nomes que se propõem na disputa estariam unidos em torno de Tel caso ele decida vivenciar o até breve, muito breve’ já em 2020?

Penso que não! E mais, afirmo sem medo de errar que se a ‘brigada’ anti-incêndio da oposição não entrar em ação o mais rápido possível, o ‘fogo’ lançado na tarde/noite através do documento lido na Câmara destruirá qualquer aliança oposicionista e fará um estrago irreparável na já fragmentada oposição condense.

Ah! E antes que você tente dizer que a oposição não é fragmentada, pare e perceba quantos pré-candidatos a prefeito nós temos nos grupos de oposição. E percebe também o quanto esses grupos se afastam a cada declaração dos 'articuladores' de cada lado. Observe como há um cenário de 'eu sou a única possibilidade de mudança'. Então, por mais entusiasta que você seja, analise o que está posto de forma equilibrada, sem torcida e sem entusiasmo incabível. Quando fizer isso dirá: a oposição está fragmentada sim!

Mas há outra possibilidade

Uma das pessoas que ouvia a leitura da Carta ao meu lado, na Câmara de Conde, levantou a possibilidade de que a renúncia de Temístocles Filho abriria uma brecha jurídica para que um de seus irmãos pudesse ser candidato a vice-prefeito numa chapa encabeçada por Karla Pimentel.

Será?

Bem, em conversa com uma pessoa muito próxima ao Dr. Tel, ouvi - ou melhor, li -, que a preço de hoje, ele nem é candidato a prefeito, nem seus irmãos postulam a vice de ninguém. Mas como disse a resposta é 'a preço de hoje'.

Por fim,

Entre ‘mortos’ e ‘feridos’ ninguém morreu, mas pretensas alianças podem ter saído feridas e correm risco de ‘morte’ nos próximos dias.

Resta esperar para ver o que vai acontecer.


...


Caco Pereira
Foto: RomoloTavani/iStock 











Nenhum comentário:

Caco Pereira Comunicação & Consultoria. Tecnologia do Blogger.