Exclusão de grupo no WhatsApp vai parar no Ministério Público



Uma notificação inusitada chamou atenção nas redes sociais na manhã desta terça-feira: uma mulher foi notificada para comparecer à Promotoria de Justiça em Barbacena, na Região Central do estado, para prestar explicações sobre os motivos pelos quais excluiu uma pessoa do grupo do WhatsApp.

O ofício foi enviado em 14 de outubro e a veracidade do documento foi confirmada pela assessoria de imprensa do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG).

O documento foi elaborado pelo Promotor de Justiça Luiz Paulo Bhering Nogueira. De acordo com o MPMG, o ofício atende representação apresentada pela Comissão de Saúde da Câmara Municipal de Ressaquinha, também na região.

Uma agente comunitária da equipe de Estratégia Saúde da Família (ESF), que atende a Comunidade do Brito, zona rural de Ressaquinha, teria excluído arbitrariamente uma moradora do grupo de WhatsApp, em que são veiculadas informações sobre o setor de saúde na comunidade.

“O grupo é administrado por servidora pública e nele são veiculadas informações relevantes a respeito de políticas públicas de saúde, como datas e horários de atendimentos médicos”, informa a nota.

 “Pessoas interessadas em seu conteúdo, como usuárias dos serviços públicos de saúde, não podem ser excluídas arbitrariamente do grupo”, aponta o esclarecimento.

Uma médica da equipe de Ressaquinha também foi convocada a prestar informações a respeito da suposta recusa no atendimento a alguns cidadãos.
De acordo com a assessoria de imprensa do órgão público, trata-se de uma “atuação legítima do Ministério Público, visando assegurar o acesso universal e igualitário às ações e serviços para a promoção, proteção e recuperação da saúde, nos exatos termos preconizados pela Constituição da República”.








Nenhum comentário:

Caco Pereira Comunicação & Consultoria. Tecnologia do Blogger.