MAIS UM: Jornalista deixa Globo após 41 anos



O jornalista Reginaldo Leme não vai seguir nos comentários das corridas da Fórmula 1 na TV Globo. Desde 1978 na casa, ele deixa a emissora antes mesmo do fim da atual temporada, tendo feito a despedida da F1 no GP do Brasil e, das transmissões, na etapa de Goiânia da Stock Car, realizada no último final de semana.

Leme enviou um e-mail para a redação de esportes da Globo nesta terça-feira (26) e revelou que sequer vai participar da transmissão do GP de Abu Dhabi. A informação é do site Yahoo Esportes, confirmada pelo GRANDE PRÊMIO.

O GP apurou que Reginaldo estava descontente com as mudanças de caráter trabalhista que o Grupo Globo tem aplicado a seus funcionários. O primeiro contrato do jornalista era com registro e carteira assinada (CLT); depois, foi modificado para PJ, em que o profissional emite uma nota fiscal para recebimento dos provimentos sem ter todos os benefícios; de uns tempos para cá, a emissora resolveu retornar ao regime CLT. Leme era um dos únicos que não havia aceitado a mudança.

Ao GP, Leme negou a informação e disse que ainda está em processo de negociação com a Globo. Questionado sobre a mensagem que enviou à redação, retrucou. "É mentira. Mandei esse e-mail para quem?", tornou a dizer. Quatro fontes, da emissora e familiares ao caso, confirmaram, no entanto, a existência do correio eletrônico.
Reginaldo foi parceiro de Galvão Bueno por muitos anos e, mesmo na ausência do narrador, seguia como titular das transmissões ao lado de Luciano Burti e, na Stock Car, com Sergio Maurício e Felipe Giaffone.

A trajetória de Leme na cobertura de F1 começa ainda na década de 1970. Mais precisamente em 1972, quando cobriu um Grande Prêmio pela primeira vez, trabalhando para o ‘Estado de São Paulo’. A passagem pela TV Globo, por sua vez, começou seis anos depois, em 1978. Foi através da emissora carioca que o jornalista se consolidou como grande referência na cobertura de automobilismo no Brasil.

A chegada do narrador Galvão Bueno às transmissões de F1 da Globo, em 1981, formou uma dupla das mais icônicas. Os dois, lado a lado, cobriram títulos de Nelson Piquet e Ayrton Senna, nos anos dourados do Brasil no automobilismo mundial.

Os mais de 40 anos de envolvimento com a F1 colocaram Leme em uma posição privilegiada. O jornalista já cobriu mais de 500 GPs, sendo recentemente homenagem pela própria categoria. Reginaldo, entretanto, teve o azar de não participar da cobertura do 1000º GP, o da China de 2019, por conta de problemas de saúde.
O ‘furo’ do ‘Singapuragate’, escândalo em que Nelsinho Piquet bateu de propósito no GP de Singapura de 2008 para atender pedido da Renault, pode ser considerado o ponto alto da carreira de Leme. O jornalista foi o primeiro a divulgar que o brasileiro agiu de má fé, abrindo investigações daquele que se consolidaria como um dos maiores escândalos da história da F1.
Com a saída de Leme, a tendência é que a Globo coloque Felipe Giaffone ao lado de Luciano Burti para comentar o GP de Abu Dhabi.

Procurada, a Globo não se manifestou até o fechamento desta matéria.





Nenhum comentário:

Caco Pereira Comunicação & Consultoria. Tecnologia do Blogger.