Casa de família morta foi roubada e revirada; filha do casal e namorada estão presas




Em São Paulo, na região do ABC, três pessoas da mesma família -- pai, mãe e filho -- foram encontradas mortas, na última terça-feira (28), dentro de um carro incendiado. A polícia prendeu a filha do casal e a companheira dela, mas a investigação continua. A reportagem é de Valmir Salaro.

Imagens mostram o interior da casa da família depois do crime. Sapatos e roupas jogados no chão. O quarto do casal Flaviana e Romuyuki está todo revirado. O quarto do filho, Juan Vítor, também está bagunçado. A TV da sala sumiu.

“Foram levados bastante joias, pelo que os familiares falaram. Eletrodomésticos, valor em espécie - Real e moeda estrangeira”, afirma o delegado Ronald Marques, da Delegacia de Investigações Criminais de SP. “A questão de ter subtraído objetos da casa pode ser uma simulação pra mostrar que aquilo não seria um homicídio e sim um crime patrimonial”, aponta Ronaldo Tossunian, delegado seccional de São Bernardo do Campo.

A TV de Juan Vitor não foi levada. Na cozinha, sinais de um jantar que nunca ficaria pronto. “Havia panela com óleo em cima do fogão, com frango praticamente cru, né? Ia ser fritado, seria fritado”, acrescenta Ronald.

Na garagem, o carro antigo de Romuyuki. Antes do crime, esse mesmo carro aparece em imagens de uma das câmeras de segurança do condomínio onde a família vivia, no ABC Paulista. Atrás dele, entra no condomínio o carro da filha Ana Flávia Gonçalves. A imagem é uma das peças de um quebra-cabeça que as investigações ainda estão montando.

Ana Flávia e a namorada, Carina Ramos, foram presas na quarta-feira (29). Os corpos dos pais de Ana Flávia, Romuyuki e Flaviana, e do irmão, Juan Vitor, foram encontrados carbonizados dentro de um dos carros da família. “Todos os indícios apontam para a participação das duas. Então, essa é a linha de investigação”, fala o delegado Paul Verduraz, da Delegacia de Investigações Criminais de SP.

Segundo a perícia, as vítimas já estavam mortas quando os criminosos incendiaram o carro. “Foram traumatismos crânio-encefálico na têmpora direita. Os três do mesmo jeito. Dá a entender que tenha sido a mesma pessoa”, destaca o delegado Ronaldo. Mas que pessoa? “A gente acredita que existam pelo menos mais três pessoas envolvidas nesse crime, fora as duas”, completa.

Na noite do crime, segunda- feira passada (27), o carro de Ana Flávia entra no condomínio e sai dele mais de uma vez. As câmeras de segurança mostram o carro de Ana Flávia chegando às 18h16. Pelas imagens, não dá pra saber quem está dentro dele. Cinco minutos depois, o carro sai.

Às 19h56, chega o carro do pai. Também não dá pra ver quem está dentro. E, logo atrás, entra de novo o carro de Ana Flávia. Oito minutos depois, Carina, a companheira de Ana Flávia, entra a pé. Está de calça comprida e encasacada, com o capuz na cabeça. “Emum dia que tava uma temperatura bastante elevada”, chama a atenção o delegado.

Às 21h01, uma pessoa está sentada em um canteiro. Segundo a polícia, é Carina, que agora se levanta e sai. Três minutos depois, o carro de Ana Flávia deixa o condomínio. No lado esquerdo do vídeo, uma pessoa que parece estar usando capuz passa pelo carro. O carro pega a mesma rua, vira em outra e para. A pessoa vai até ele. Aí o carro parte.

Às 22h01, o carro volta ao condomínio e, cerca de um minuto depois, sai de novo. Às 22h12, ele volta. E às 22h36, chega o carro de Flaviana, a mãe de Ana Flávia, possivelmente vinda do trabalho.

Ana Flávia e a mãe trabalhavam juntas nesse quiosque de perfumaria num shopping. “Montaram uma segunda loja de perfumaria e, financeiramente, estava progredindo”, conta o delegado.

A polícia ainda não sabe se Flaviana estava sozinha no carro quando chegou em casa. “Nós ainda temos essa dúvida. Se ela foi sequestrada fora de casa ou se ela chegou e encontrou os bandidos dentro de casa, já com os outros familiares dominados”, diz o delegado Verduraz.

Quando já é 1h13 de terça-feira, Carina aparece de bermudas, segurando um capacete. Atrás dela passa alguém levando uma moto e, um minuto depois, saem o carro de Ana Flávia e, logo atrás, o carro da mãe.

Manchas de sangue foram encontradas na casa e também nas roupas de Ana Flávia: “Já tinham sido lavadas, mas com aquele reagente que nós temos foi possível identificar", conta delegado. Em um dos três depoimentos que deu à polícia, Ana Flávia disse que era sangue menstrual. A perícia está analisando as roupas.

No primeiro depoimento, ela disse que o pai devia R$ 200 mil a um agiota e tinha saído pra pagar uma parcela da dívida. Como é que o pai vai pagar um agiota levando o filho pra uma situação dessa?”, questiona o delegado Tossunian. No último depoimento, prestado na sexta-feira, a versão mudou: elas afirmaram que houve um assalto.

Ana Flávia e Carina moravam em uma favela a três quilômetros do condomínio em Santo André, no ABC Paulista. Segundo as investigações, os pais de Ana Flávia nunca aceitaram o relacionamento, porque achavam que Carina tinha ligações com criminosos que vivem na mesma favela.

“Eu acredito que as duas arquitetaram o crime, tentaram maquiar, pra ficar tudo pra elas. Tinha garrafa de água sanitária vazia no quarto, já tinha passado pano com água sanitária no chão... E por que a casa estava trancada? A casa estava totalmente trancada. O chaveiro teve que abrir”, acredita Flávio de Menezes, irmão de Flaviana.

Procurada pelo Fantástico, a defesa de Carina e Ana Flávia não quis se manifestar. Elas estão com prisão temporária.

A polícia identificou dois homens que participaram do crime, mas os nomes não foram divulgados. As investigações estão sob sigilo. “Vai chegar ao final do inquérito, e nós teremos a real motivação”, afirma delegado.

“Eu preciso dessa resposta. Eu preciso do porquê. Preciso da justiça feita”, diz Flavio.

Veja a reportagem do Fantástico. Clique AQUI








Nenhum comentário:

Caco Pereira Comunicação & Consultoria. Tecnologia do Blogger.