FÉ: Como vencer o medo em tempo de adversidade



Leia Gênesis 15

Quando chamou Abraão, Deus fez-lhe uma promessa: “Farei de você um grande povo, e o abençoarei. Tornarei famoso o seu nome, e você será uma bênção. Abençoarei os que o abençoarem, e amaldiçoarei os que o amaldiçoarem; e por meio de você todos os povos da terra serão abençoados". (Gn 12:2,3). Com a bênção de Deus, ele “tornou-se rico em gado, prata e ouro” (Gn 13:2). O Senhor o fez um poderoso guerreiro, feroz na batalha.

No entanto apesar de todas as bênçãos, sucesso e conforto, Abraão ainda sofria de profundas ansiedades. Ele estava com medo, embora não saibamos exatamente quais eram os motivos, mas o texto supracitado declara claramente que estava com medo. As primeiras palavras são: “não temas...” Gn 15:1. Esse temor, seja qual for, foi expresso por seu desejo de ter um filho. “Ó Soberano Senhor, que me darás, se continuo sem filhos...” 15:2. É quase como se nada mais importasse a Abraão, se ele não tivesse um filho, isso estava apodrecendo seus ossos! Mas seu receio era maior do que a falta de orgulho paterno! Para Abraão, um filho seria um consolo contra seus medos de um futuro desconhecido. Imagino alguns dos seus temores: Talvez ele tenha percebido que sua formidável força estava esvaindo-se diante dos olhos, e, com um descendente, poderia enfrentar a velhice com destemor. É possível que tivesse um inimigo, que não podia vencer. Medo do último inimigo, que você e eu também devamos enfrentá-lo. Pois quem pode escapar da morte quando essa vier? Mas com o filho deixaria o seu legado.

Quaisquer que fossem os temores de Abraão, Deus lhe trouxe uma palavra de conforto e paz: “Não tenha medo, Abraão! Eu sou o seu escudo; grande será a sua recompensa" (15:1) Foi então que ele manifestou sua preocupação a Deus, v.2, deixando evidente a sua dúvida e incerteza. Em seu chamado, Deus já lhe havia prometido que seria pai de uma grande nação, mas Abraão ainda necessitava de garantias contínuas, Deus precisava lembrá-lo, repetidas vezes, de suas promessas.

E quem somos, comparados a Abraão? Também não oscilamos e caímos à beira da descrença? Deus não precisa trazer às nossas memórias as Suas promessas? Como Abraão viveu pela fé, também vivemos pela fé. Confiança em uma promessa ainda não totalmente vista. Como o patriarca, somos chamados a viver na “... certeza daquilo que esperamos e a prova das coisas que não vemos.” (Hb 11:1).  Deus nos chamou da nossa antiga e pagã terra do pecado e da morte, e nos promete uma nova terra, um reino carregado com os frutos do Evangelho, o perdão dos pecados e a esperança da vida eterna. Como Pedro disse: “Antes vocês nem sequer eram povo, mas agora são povo de Deus...” (Pe 2:10). Como Abraão, as lutas e problemas também nos envolvem por todos os lados, todavia Deus não nos abandonará conforme fez a seu servo. (conf. 2 Co 4:8-10) .

Mesmo com as muitas bênçãos que Deus tem derramado sobre você, seus medos ainda não o assombram? Eles o assustam como fizeram a Abraão? Os segredos conhecidos apenas por você e Deus aterrorizam sua consciência?  Qual é o seu medo? É o medo da Covid 19? De perder sua saúde, seus bens, posses e emprego? Da velhice enfraquecida? É o medo da morte?

Meu querido, você também é igual a Abraão, Deus o chamou para andar pela fé e não pela vista. Assim como o Senhor fez a promessa ao Patriarca e ele ainda se preocupava, a dúvida é uma tentação constante que atropela nossa fé. Apesar da demonstração das nossas fraquezas de fé, Deus é paciente, assim como Ele foi com Abraão. Semelhantemente, contra nossos medos, tentações e dúvidas o Senhor nos dá a mesma reconfortante palavra de segurança que, Ele deu ao Seu servo: “Não tenha medo, porque Eu sou o seu escudo, a sua grande recompensa.” (15:1)

O apelo mais forte do coração do Patriarca foi o desejo por um filho. Era como se as esperanças e o seus sonhos estivessem todos ligados a isso. Seus medos se recusavam a cessar se ele não tivesse um filho. Ele ansiava por alguém que viesse acalmar seus temores e cumprir suas esperanças. Deus respondeu às orações de Abraão, como Ele tem a sua resposta. Deus não falhou em suas promessas. Por meio do filho de Abraão, Isaque, Deus enviou um Filho maior! Um Filho que não apenas atendesse às suas necessidades terrenas, mas por meio do Seu sofrimento e morte asseguraria a necessidade eterna de todos os homens. Neste Filho, crucificado e ressuscitado, Deus trouxe Sua paz para acalmar nossos medos. O Patriarca creu nessa promessa, por isso somos informados: “Abraão creu no Senhor, e isso lhe foi creditado como justiça.” (15:6)

Sendo assim, meu amado, quando os seus medos e temores o ameaçarem, deposite sua confiança nas promessas do Senhor, pois Ele é fiel para cumpri-las. Ele estará com você todos dias para sustentá-lo e fortalecê-lo com Sua palavra.
            

Rev. Liberato Pereira dos Santos

Pastor da Igreja Presbiteriana Boas Novas, Rondonópolis-MT 

Nenhum comentário:

Caco Pereira Comunicação & Consultoria. Tecnologia do Blogger.