OPINIÃO: O Presidente ou um Ministro? O dia que ficará para sempre na história da Nova República



Ora, ora.

Ora Juiz da Lava-Jato, erigido a “Pop Star” do noticiário global e a um dos 100+ (celebridades da revista Time em 2016), ora subordinado imediato do presidente eleito – diga-se: com fartos 57, quase 58 milhões de votos.

Desempenhou muito bem o seu papel o então juiz da vara especializada em lavagem de dinheiro de Curitiba – tanto quanto titular desta, quanto subordinado (mas ainda no papel de juiz-auxiliar) da Ministra Rosa Weber (STF), amiga do ex-marido de Dilma, que a nomeou.

Levou à frente, com a rapidez de um país escandinavo, os processos-crime complexos, colocando no xadrez as mais elevadas figuras da República, que, por isso mesmo, imortalizou a expressão “República de Curitiba”, pela própria voz de um tal ex-Presidente. E parece que este tinha razão na denominação. Vejamos.

O titular da República de Curitiba não conseguiu ser o titular de um Ministério do Executivo.

Como é de conhecimento de todos os servidores públicos e dos juristas que atuam ou lecionam na área de Direito Constitucional e Administrativo, os cargos de confiança na administração pública além de serem “exoneráveis ad nutum” (expressão do latim que quer dizer: ao nuto ou ao gosto [do seu Chefe]), não exigem motivação para ocorrerem e são uma praxe tão corriqueira que quem está neles costuma sequer contar com valor da verba extra nas suas contas do mês, porque nunca sabem até quando vão durar.

Mais recorrente que uma demissão na iniciativa privada, a “dança de cadeiras”, como é apelidada a mudança de nomes nas posições de comando da esfera pública, e nos três poderes, é bem trivial. Tanto que olhar o diário oficial para saber quem saiu e quem entrou é comum nas repartições públicas, no “papo do cafezinho”. E mais: exonerar, “a pedido” é uma praxe tão antiga quanto os próprios diários oficiais: faz-se isso até em analogia ao que determina o Art. 29, § 4º, da CLT: veda o empregador a fazer “anotações desabonadoras” na Carteira de Trabalho, o que enseja, inclusive, se feitas, indenização por dano moral.

Exonerar, porque “demitir”, no Estado, significa “pena” (sanção administrativa após um válido e regular processo legal – de formação de culpa). O pedido sendo “tácito”, ou seja, como fez o Valeixo, via despedida aos colegas e concordando com a emissão da portaria nestes termos antes de publicada, não deixa de ser “a pedido”. E o agora ex-Ministro Moro sabe disso, porque tinha subordinados na Vara Federal, como tinha no Ministério, mesmo assim não poupou tiros, em todas as sendas, o ex-magistrado desarmamentista.

Como ex-juiz e também ex-professor da área penal na UFPR, sabe ou deveria saber que “o ônus de provar é de quem acusa”, sobremodo quando o assunto é colar a pecha em quem quer que seja – do cidadão comum ao Presidente da República – de atos que possam ser configurados como crime. Talvez o ego, ah, o ego, sempre ele... e o poder, não trazido via mandato, mas via holofote midiático (sempre se diz na Academia: juiz e MP não é pra aparecer!), tenha-o então levado a passar do limite nas palavras, nos vazamentos e nas confidências, das conversas privadas com a deputada de quem foi padrinho e com o Chefe de Estado, antes mesmo de deixar o cargo, de confiança, frise-se, deste.

Confesso que assisti atônito à entrevista coletiva das 11h quase roendo as unhas e pedindo a Deus para que tudo aquilo não fosse verdade, mas sentindo, pelo olhar do então Ministro Moro, o “Super-Herói” inflável das manifestações de rua, que ele estava ali decidido e de caso pensado a esturricar o Governo, como alguém que cospe no prato que comeu, porque a sobremesa (vaga no STF) não viria mais no banquete, como minha intuição – ou o lado pessimista desta –, premeditara.

“Não enriqueci no serviço público” – bradou. E era de se esperar o contrário?
A Bolsa se aproximava de 10% negativo e o dólar a quase 6,00 reais, quando dei por mim que uma das bases do Estado de Direito é o “Contraditório”.

Então, como um digno jurista deve fazer, deixando as possíveis paixões políticas ou a Ideologia de lado, guardei em detalhes o seu discurso vitimista mas com forte apelo acusatório, dizendo-se ele muito preocupado com a Pandemia e que só estava fazendo aquilo porque não tinha jeito (e aprendemos em Retórica que quando menos somos uma coisa é quando mais a repetimos), para aguardar a versão – sim, a versão! Porque a verdade não é absoluta num processo – do Presidente: este sim, o eleito.

Dezessete horas em ponto: momento mais aguardado por mim (e, creio, por todos os brasileiros, de esquerda ou de direita; analistas econômicos, políticos, jornalistas, empresários, todos, enfim), talvez, da última década.

Todos os ministros, sérios, presentes, com a presença de Paulo Guedes, de máscara, que a Extrema-Imprensa já tinha demitido mais cedo, como sempre (risos). Especial destaque para os quatro generais mais poderosos do Governo na fila da frente, entrincheirados com o Presidente ao centro: da esquerda para direita, Min. Braga Neto, o Vice Mourão, Fernando Azevedo e Augusto Heleno. Um prenúncio visual do que estava por vir:

#BolsonaroTemRazão

Conclusões:

1- Moro não é super-herói, nem infalível: é mais um ser humano que pode mentir e levantar suspeitas, talvez no ódio de não conseguir o que queria no auge de seu ego inflado (a tão sonhada vaga no STF), na verve da popularmente conhecida “juizite” e no ufanismo que carrega consigo há 6 longos anos – agora tornados um farto cipoal para exploração da artilharia política dos chamados Isentões;
                                                                                                                                                
2- Augusto Aras foi muito bem escolhido. Agiu tão rápido como uma flecha de nossos nativos, honrando, este sim, a cadeira que ocupa como PGR. Sem lado, saiu na frente de qualquer tensão política ou apelo de Impeachment sem provas e fez o que é seu dever fazer: investigar. Sem pestanejar, pediu ao STF instauração de inquérito penal. Moro vai ter que comprovar os supostos crimes que ele acusou o Presidente - afinal o ônus da prova é de quem acusa.

3- Se “deu mal” quem, descurando deste princípio básico e fundamental da Democracia, o Contraditório –, saiu correndo na frente em defesa pessoal e popularesca de um ex-juiz, que se tornou um símbolo nacional, sim, mas que não fez mais do que sua obrigação e que demonstrou, hoje, que devemos perseguir valores e não endeusar pessoas, essas passam e a Nação Brasileira, a pátria de nossos filhos e netos, fica.

4- Pra quem gosta de “teorias conspiratórias”, ficou claro que os militares estão com Bolsonaro: notem que ficaram, como já dito, enfileirados os mais fortes do Governo, todos Generais, durante toda a Coletiva, o que, para quem entende sinais e simbolismos da Caserna e da Política não pairam mais dúvidas sobre sua força (popular e das Armadas).

Sentença:

Estou com Olavo de Carvalho, que se pronunciou mais cedo no Facebook, e com Bolsonaro, 100%, agora mais do que nunca depois dessa coletiva histórica. Reafirma não que é super-herói – ele nunca galgou esse perfil, erra muito e come pão com leite condensado, vai na feira e tira foto com as pessoas, como nós, mortais – mas que merece, com todas as venias e como nenhum outro presidente antes na História do Brasil, a alcunha de MITO.

Henrique Quintanilha 
O autor é Advogado, graduado e com Mestrado em Direito Público pela UFBA, Professor de Pós-graduação em Direito, Líder dos Juristas pela Restauração da Ordem (JURO), um dos coordenadores do Movimento Advogados do Brasil (MABr), representante na Bahia da Ordem dos Advogados Conservadores do Brasil (OACB) e comentarista político.

*Crédito FotoValter Campanato/Agência Brasil

Nenhum comentário:

Caco Pereira Comunicação & Consultoria. Tecnologia do Blogger.