Violações de direitos humanos e religiosos na China são mais severas do que o relatado

O relatório da Comissão dos Estados Unidos para a Liberdade Religiosa Internacional (USCIRF) 2020 novamente coloca a China como um dos três principais países de “preocupação particular“.

Segundo o UCA News, os líderes cristãos chineses ecoam que o espaço para a liberdade religiosa encolheu severamente nas últimas duas décadas, com o regime comunista implementando uma série de políticas com o objetivo de erradicar a religião da sociedade. Eles também enfatizaram que a opressão religiosa na China é mais severa do que é relatado.

Nas províncias de toda a China, escolas, professores e empresários cristãos são forçados a assinar documentos para rejeitar sua religião, ou o governo comunista ameaça tomar suas aposentadorias. As autoridades locais invadiram ou fecharam centenas de igrejas domésticas cristãs. A remoção de cruzes continua a ocorrer, apesar da afiliação oficial dessas igrejas. O Partido Comunista Chinês (PCCh) também acusou os pastores de subversão do poder do Estado, embora tal sentença seja inconstitucional, de acordo com suas próprias leis.

 

Muitas dioceses católicas foram assediadas pelas autoridades, o clero é preso por se recusar a se juntar à Igreja Católica aprovada pelo Estado. Há também relatos de que funcionários do PCCh estão oferecendo recompensas em dinheiro para incentivar a espionagem e a denúncia sobre igrejas domésticas “subterrâneas”.

Enquanto a China nega essas alegações, o padre Thomas Wang disse à UCA News que a China nunca respondeu bem às acusações de perseguição religiosa, mas o governo comunista as evita ou rejeita completamente a questão, e acusa outros de interferir em questões internas. Maria Li, em Guangdong, também disse que o Governo comunista chinês não está mais preocupado com a pressão e condenação internacional, pois subornou pequenos países e organizações para defender a China.

No entanto, Li espera que a comunidade internacional não negligencie as violações da China sobre liberdade religiosa e direitos humanos.

“Se mais países se unirem e pressionarem a China, as autoridades desistirão da opressão flagrante, o que ajudará a Igreja a respirar”, disse Maira Li.

 

Conexão Política

 


Nenhum comentário:

Caco Pereira Comunicação & Consultoria. Tecnologia do Blogger.